terça-feira, 26 de outubro de 2010

O vinho de Santa Bárbara



Quando no ano passado a Comissão de Festas andou a pedir para o vinho de Santa Bárbara, surgiu por parte de algumas pessoas (emigrantes) dúvidas em relação a este peditório. O Comissário Sr. José Carvela andou por terras de França e contactou vários emigrantes vilarandelenses no sentido de lhes pedir para o vinho de Santa Bárbara! Houve alguns emigrantes que não sabiam nem nunca tinham ouvido falar neste peditório. Pois aqui vai uma breve explicação:


Antigamente, a nomeação dos Comissários era de maneira ligeiramente diferente. Ser Comissário da festa era uma honra, por isso, eles eram nomeados no Domingo da festa, logo depois do sermão que o padre fazia no fim da procissão. Os novos comissário encaravam a nomeação como se de uma missão divina se tratasse. Hoje, as Comissões de Festas são nomeadas um pouco por vingança, ” – este criticou-nos, vamos nomeá-lo!”


O sentido de responsabilidade é cada vez menor e nas comissões nomeadas só um ou dois é que ficam, acabando por falar com mais meia dúzia deles reorganizando assim a Comissão para a festa desse ano. É assim que tem mais ou menos acontecido estes últimos anos.


Mas, voltando ao vinho de Santa Bárbara, antigamente, os novos comissários começavam logo a trabalhar para arranjar dinheiro para a festa. Vilarandelo era terra de muita produção de vinho. Então, logo por altura da encubada, era costume os homens da Comissão andar de porta em porta a pedir vinho para a Santa Bárbara. Cada produtor dava sempre um almude ou um cântaro de vinho, sendo uma forma de agradecer à Santa a boa produção daquele ano. Todo o vinho recolhido pela aldeia era depositado numa pipa que a comissão tinha para o efeito, para posteriormente ser vendido aos barrosões. O dinheiro feito da venda deste vinho era para a festa pois toda a ajuda monetária era preciosa.


Hoje, a tradição já não é o que era, os produtores de vinho são cada vez menos e a maioria da população de Vilarandelo já não o produz, daí a comissão andar na mesma de casa em casa a pedir para o vinho de Santa Bárbara. Mas, para não se perder a tradição por completo, as comissões continuam a fazer o peditório, pedindo dinheiro e não vinho como antigamente. É uma forma que se arranjou para não se perder por completo uma tradição e ao mesmo tempo angariar fundos para a festa.

2 comentários:

Anónimo disse...

Já não há «pomada» em Vilarandelo?!

Lá se fica o paladar estragado ao trincarem os pastéis de chila folhados da "D. Josefa" ou o «esparregado de Nabiças à moda da Ti Natália», ou....

O vinho da Terra é o que melhor combina com os petiscos da Terra!

Ora «faxabor» de fazerem uns pipotes que se vejam ( e proBem!), seus Vilarandelit(r)os!


(nota: A FOGAÇA «não diz bem» com água!).



Tupamaro

Paulo Pascoal disse...

É claro que ainda se produz vinho em Vilarandelo! E bem bom! Já não se produz com a quantidade de outros tempos. Mas aqui o que interessa é a qualidade e essa, é do melhor que pode haver!

Obrigado pelo post